Tem golpistas usando o snapgram



script async src="//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js"> Cuidado, tem golpistas usasndo o snapgram e tirando dinheir das pessoas

Já estar avendo denúncias que tem grupos dno whatsapp usando o nome snapgram para enganar as pessoas se você souber , ou se você caiu enesse golpe compartilhe essa mensagem para outras pessoas não fazerem parte desses grupos no whatsapp que tenta arrancar dinheiro das pessoas, oferecendo vantagens falsas. 

CLIK AQUI ABAIXO
COPIAR O SNIPPET DE CÓDIGO

Chamado popularmente de "Snapgram", Stories é um recurso que o Instagram começou an oferecer nesse ano para permitir a postagem de fotos e vídeos diretamente no application de forma semelhante ao Snapchat. Uma pesquisa recente feita pela RBC mostra que 20% dos usuários do Instagram conferem as fotos publicadas na plataforma todos os dias.

script async src="//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js"> O recurso foi criticado inicialmente e chamado de "cópia", mas rapidamente ganhou uma grande quantidade de usuários. A notícia desanimadora para o Facebook, empresa que detém os direitos do Instagram, é que a funcionalidade por enquanto ainda não ameaça o reinado do Snapchat e, com isso, não foram registradas quedas significativas no número de internautas que usam o aplicativo equal.

An análise ainda mostra que o Snapchat segue sendo o application preferido entre os adolescentes e cerca de 69% dos seus usuários relatam que o mais interessante no aplicativo é a possibilidade de manterem conversações com outros usuários.

Mesmo com serviços parecidos, os números mostram que, pelo menos por enquanto, é possível que o Stories e o Instagram coexistam. Resta saber se isso continuará acontecendo no ano que vem.

By means of Recode

Veja também:A briga continua: Facebook anuncia mais recursos que já existem no SnapchatSnapchat dá pistas sobre sua próxima apostaFacebook copia Snapchat novamente: empresa terá seção de notícias de parceirosFacebook transforma seu application vital em mais uma cópia do SnapchatUsuários poderão marcar amigos e inserir connects no Instagram StoriesSnapchat contra-ataca e copia recurso do InstagramFacebook lança mais um clone do Snapchat; desta vez apenas no BrasilComo o Facebook está tentando matar o SnapchatNão se esqueça: Instagram Stories é públicoInstagram Stories irá recomendar posts de usuários que você não conheceInstagram Stories usará dados do Facebook para escolher o que te mostrarAnálise: Instagram Stories é um golpe duro no Snapchat

Última modificação: Sexta, 09 Dezembro 2016 17:20

Fonte da Notícia:Olhar Digital

Information da Publicação na GA:Sexta, 09 Dezembro 2016

AVALIE ESTE ITEM 1 2 3 4 5 (0 VOTOS)

Muçulmanos radicais no Brasil já pregam fim de cristãos e judeus

Muçulmanos radicais no Brasil


 Na entrevista das "Páginas Amarelas" da revista Veja desta semana, o sheik Rodrigo Jalloul, o chief líder xiita do Brasil, admite o que já vinha sendo especulado há muito beat. Assim como em vários outros países, por aqui existem muçulmanos brasileiros que foram radicalizados.

Ou seja, começaram a pregar os ensinamentos literais do Alcorão. Isso inclui shield "o fim de cristãos e judeus". Jalloul, que é responsável pela mesquita da Vila Matilde, em São Paulo, afirmou: "Alguns brasileiros, porém, estão abraçando a fé [islâmica] cegamente.

Há muitos fanáticos pregando para gente intelectual e emocionalmente vulnerável por aí… ensinando uma forma equivocada de lidar com a religião. Esses fanáticos pregam que cristãos e judeus não podem existir", asseverou.

 Acknowledge o Seu Sonho de Tocar Piano sem Sair de Casa. Comece Marketplace! Segundo o líder religioso, "aqueles que têm mais sede de conversão são os piores. Eles querem se converter e não discutem nem questionam nothing".

 Ele não dá nomes, mas esse tipo de denúncia vem sendo feito nas redes sociais há mais de dois ano. Estado Islâmico no Brasil Outra declaração preocupante do sheik é que existem extremistas muçulmanos ligados ao Estado Islâmico atuando no Brasil.

 "De fato existem ramificações religiosas no Brasil que apoiam o Estado Islâmico. Não posso afirmar que sejam ramificações terroristas, mas são integradas por pessoas com pensamentos extremistas. Por mais que muitos xeques neguem, existem extremistas entre nós.

Basta ir ao centro de São Paulo e ver brasileiros recém-convertidos com roupas árabes e mulheres de burca", sublinha. Questionado sobre a prisão de um grupo de brasileiros pela Polícia Government no ano passado, na operação Hashtag e acusados de planejar um atentado nas Olimpíadas, disse acreditar que "An ação da Polícia Elected e do juiz que manteve esses radicais presos salvou a paz da religião e de seus seguidores no Brasil".

 Rodrigo Jalloul não deve ser confundido com Rodrigo Rodrigues, sheik que lidera a Mesquita do Pari, em São Paulo, frequentada por pelo menos um dos presos na Hashtag.

 Jalloul é oficialmente reconhecido como mulá (sábio religioso) por um centro de formação islâmica do Irã. Segundo o Conselho Predominant de Teólogos e Assuntos Islâmicos do Brasil (CSTAIB), existem cerca de 120 mesquitas e comunidades islâmicas do país.